seguindo por e-mail

Instagram

terça-feira, 25 de junho de 2013

Prostituição sub-17 ronda estádio da Copa das Confederações em Fortaleza


As campanhas oficiais contra a prostituição infantil têm dois rivais fortes em Fortaleza (Ceará) durante a Copa das Confederações. No entorno do estádio Castelão, é a clientela brasileira que assedia adolescentes na vizinha avenida Juscelino Kubitschek. Na orla da cidade, é o lugar onde o adversário são os italianos, principais consumidores desse lado perverso do turismo no Brasil.
Os altos investimentos no estádio contrastam com os poucos recursos que o conselho tutelar local conta para combater a exploração de menores. O governo federal enviou um carro, cinco computadores e uma impressora neste ano para melhorar o funcionamento, afinal, os funcionários não tinham nem papel na repartição e eram obrigados a usar veículos particulares em diligências.
"Proibido de menor", avisava uma frase escrita a giz na parede de entrada do boteco Recanto Bar, na avenida Perimetral. Dentro, duas adolescentes dançavam funk em cima da mesa de bilhar para os potenciais fregueses.
Em uma parada de ônibus a 100 metros do Castelão, uma adolescente fazia ponto durante a tarde. "Meus pais não sabem disso. Tenho que voltar cedo para casa para não desconfiarem de mim", relata a garota sobre a atividade vespertina dela e de dezenas outras dentro da chamada "área Fifa", o raio de dois quilômetros ao redor do estádio que a entidade máxima do futebol mundial estabelece em dia de jogos.
A situação fica mais dramática para essas meninas quando a prostituição se junta à droga e à gravidez. Muitas vendem o corpo para comprar crack ou cocaína. Outras fazem do comércio pequeno dos narcóticos um adicional em seu trabalho. Há casos de crianças de 12 anos que se prostituem por R$ 5 o programa, o que é o mesmo preço da pedra de crack.
"Nós vamos receber a Copa, e é fundamental uma blitz educativa, unindo forças, desde o Ministério Público até a Prefeitura", afirma a ex-vereadora Eliana Gomes (PC do B), que participou de CPI municipal sobre o assunto e ainda esteve diante da comissão de direitos humanos da Câmara.
O conselho tutelar local faz mais de 1.500 atendimentos por ano, tentando resgatar meninas e meninos da prostituição. Uma boa parte, sem ajuda da família e órgãos públicos, acaba voltando às ruas. Várias campanhas tentam incentivar denúncias, incluindo até um aplicativo de celular que ajuda a localizar os pontos de exploração infantil.
Mesmo com essa tecnologia, a mistura de turismo de massa e população miserável acaba fomentando essa liquidação de crianças e jovens. Na praia de Iracema, orla da cidade, muitas prostitutas já nem falam o português direito de tanto convívio com os italianos. Elas falam um "portuliano".
Os bares e boates do local barram as menores de idade, mas elas ficam rondando pela calçada e porta dos estabelecimentos. Os grupos de italianos bronzeados de meia-idade são os alvos dessas meninas.
As rondas e as campanhas reduziram o número de adolescentes prostitutas nas ruas de Fortaleza durante a Copa das Confederações. Mas muitas delas ainda estão por lá. Resta saber se na Copa do Mundo do ano que vem esse crime contra a infância continuará à sombra do Castelão para ser relatado por todos os meios internacionais de comunicação que visitarem Fortaleza.
by: UOL

SOBRE O AUTOR

Kestão de Opinião!?!

Blogger

siga-me os bons

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Kestão de Opinião!?!. Tecnologia do Blogger.

Posts em Destaque

Parcerias

Nosso Banner


Seguidores

Postagens populares

Arquivo do blog

Agregadores e Parceiros

Tecnogospel: Os melhores links evangélicos ClicMais.net Sua Rede de Links Tedioso: Os melhores links

Total de visualizações